fbpx

Doença Celíaca: o que é, sintomas e a dieta sem glúten.

 

A Doença Celíaca é uma reação imunológica desencadeada pela ingestão do glúten, na qual as células de defesa do organismo atacam células sadias, causando um processo inflamatório na mucosa do intestino delgado.

Essa inflamação leva à atrofia das vilosidades intestinais. A principal característica da doença celíaca é a intolerância permanente ao glúten.

A DC é classificada como uma desordem autoimune pois são as células do sistema imunológico do corpo, os chamados “anticorpos”, que agridem o seu próprio tecido, podendo afetar diversos órgãos, mas principalmente o intestino delgado.

Estima-se que a Doença Celíaca atinja de 1% a 2% da população mundial. No Brasil, seria algo em torno de 2 milhões de celíacos

Mas o grande problema é que parcela considerável dessas pessoas não sabe que tem a doença e continua comendo alimentos com glúten frequentemente. Por consequência, o intestino sofre danos ao longo do tempo que se refletem no corpo em geral.

Por ser uma desordem de caráter genético, ela pode acometer várias pessoas de uma mesma família. Por isso, se alguém dentre os seus parentes de primeiro grau foi diagnosticado com a doença celíaca, é importantíssimo que você procure um médico gastroenterologista para investigar essa possibilidade, pois você pode ter a doença mesmo sem apresentar os sintomas.

Essa enfermidade pode acometer pessoas de todas as idades e costuma ser mais frequente em mulheres. Além disso, existem pessoas com maior predisposição genética para desenvolvê-la.

O QUE É O GLÚTEN?

O glúten é uma proteína complexa presente no trigo, cevada e centeio. Embora a aveia seja naturalmente livre de glúten, ela é cultivada e processada nos mesmos locais que os outros cerais citados, provocando a sua contaminação cruzada.

As duas frações de proteínas que formam o glúten são chamadas de gliadina e glutenina, que quando passam por um processo de hidratação, ligam-se entre si e proporcionam elasticidade e aderência aos alimentos, criando uma espécie de cola natural. 

Essa característica é que faz do glúten um ingrediente amplamente utilizado na culinária e nas indústrias alimentícias, pois ele promove uma estrutura consistente e retém os gases da fermentação, dando origem a panificados macios e saborosos.

Quando o glúten entra em contato com a mucosa do intestino delgado do(a) celíaco(a), ele desencadeia um processo inflamatório nesta região, alterando a mucosa intestinal.

Por consequência, a proteína agride e danifica as vilosidades do intestino delgado e prejudica a absorção dos alimentos e seus nutrientes, levando a uma série de deficiências nutricionais. 

SINTOMAS DA DOENÇA CELÍACA

Os sintomas mais comuns da Doença Celíaca podem ser classificados como intestinais, neurológicos, osteomusculares, dermatológicos, orais, além de alguns exclusivos do sexo feminino. Veja abaixo.

  • Intestinais: cólica, diarreia, dores e distensão abdominal, flatulência, prisão de ventre e refluxo;
  • Neurológicos: ansiedade, déficit de atenção, depressão, enxaqueca, fadiga crônica, irritabilidade e alterações comportamentais, insônia, pânico e perda de memória;
  • Osteomusculares: dores nas articulações, dificuldade de crescimento em crianças e osteopenia (perda gradual de massa óssea);
  • Dermatológicos: acne, dermatite/eczema e queda de cabelo;
  • Orais: aftas, mau hálito, dentes quebradiços e manchas no esmalte dentário.
  • Femininos: abortos frequentes, infertilidade, menopausa precoce e menstruação irregular.
  • Outros sintomas: anemia,carência de vitaminas e minerais como cálcio e ferro, e perda de peso frequente.

Sintomas como cansaço, dores nas articulações, perda de peso, fraqueza, enxaqueca, queda de cabelo, osteoporose, carência de vitaminas e dificuldade de crescimento em crianças podem ser sinais da doença, pois ocorrem devido ao fato do intestino do(a) celíaco(a) não conseguir absorver adequadamente os nutrientes dos alimentos ingeridos.

Vale ressaltar que algumas pessoas podem ter um quadro não clássico da doença, também chamado de atípico, ou até mesmo quadro assintomático.

O quadro atípico ocorre quando a pessoa apresenta sintomas mais brandos e difíceis de diagnosticar. Já o quadro assintomático é quando o portador não demonstra nenhum sinal da doença. 

Por isso é importante ficar de olho nos sinais do corpo quando ingerir alimentos com glúten e, se estiver em dúvida, consultar um médico especialista na área de gastroenterologia.

A falta de tratamento adequado pode levar a outras complicações como anemia, desnutrição, intolerância à lactose, e o desenvolvimento de câncer de intestino e linfoma intestinal. Ou seja, se não tratada, a Doença Celíaca pode matar.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico clássico é realizado a partir de um exame de sangue que analisa a presença de anticorpos específicos que atacam o glúten. Na sequência, é realizada uma endoscopia com biópsia do intestino delgado a fim de investigar se as vilosidades intestinais apresentam inflamações e se estão atrofiadas. 

Para fazer o diagnóstico, é importante que a pessoa ainda esteja consumindo alimentos com glúten na sua dieta, pois do contrário, o exame pode apresentar um resultado incorreto. 

Após a primeira biópsia, o paciente deve ficar um determinado período sem ingerir glúten, para que uma futura biópsia seja realizada a fim de analisar se houve normalização da mucosa intestinal ao cortar o glúten da alimentação. Assim é possível confirmar definitivamente o diagnóstico da Doença Celíaca.

TRATAMENTO

Ainda não há cura nem medicamentos para essa condição, sendo a dieta sem glúten o único e mais eficaz tratamento! Para segui-la adequadamente, é necessário substituir alimentos e bebidas como pães, cereais, bolos, pizzas, massas e cervejas por alternativas livres de glúten.

Em casos de deficiência nutricional, podem ser incluídos na dieta suplementos para reposição de vitaminas e minerais.

Mas atenção! A substituição do glúten deve ser feita somente sob acompanhamento de nutricionista, pois este profissional é capacitado para desenvolver um cardápio alimentar rico em nutrientes, incluindo uma gama de alimentos naturalmente livres de glúten como as frutas, legumes, verduras e proteínas de origem animal.

Além disso, há deliciosas alternativas de panificados feitos com cereais sem glúten, como os pães e bolos que a Grani Amici oferece!

Os portadores da doença celíaca podem começar a apresentar melhoras dentro de uma ou duas semanas após o início da dieta. Na maioria dos casos, os sintomas desaparecem e a parede do intestino se recupera totalmente dentre 6 a 12 meses após a exclusão do glúten. 

É preciso ser regrado, pois o consumo de uma pequena porção de algum alimento com glúten pode desencadear todos os sintomas novamente.

Visitas regulares à nutricionista e acompanhamento médico com experiência no tratamento da doença celíaca também são importantes. É muito importante que a dieta sem glúten seja seguida por toda a vida!

DE OLHO NOS RÓTULOS

Por conta das características de aderência e elasticidade do glúten, ele é muito utilizado na industrialização de diversos alimentos que, à primeira vista, julgaríamos ser livres de glúten. Por exemplo: molhos, temperos prontos, achocolatados, cafés instantâneos, chicletes, dentre outros.

Além disso, alguns produtos não alimentícios também possuem glúten em sua composição e podem desencadear reações alérgicas nos celíacos, como alguns medicamentos, cosméticos e massinhas de modelar.

No Brasil, a Lei nº 10.674 de 2003 institui que “todos os alimentos industrializados deverão conter em seu rótulo e bula, obrigatoriamente, as inscrições ‘contém Glúten’ ou ‘não contém Glúten’, conforme o caso”. Segundo a referida lei, esta informação deve sempre estar em destaque ao final da lista de ingredientes do produto.

Por isso, fique de olho nos rótulos dos alimentos e bebidas industrializados, bem como dos demais produtos não alimentícios. Em caso de dúvidas, entre em contato com o SAC da empresa informado nas embalagens.

VIDA SAUDÁVEL SEM GLÚTEN

Uma característica interessante da Doença Celíaca é de que a pessoa que a tem só está doente quando não segue uma dieta gluten-free. 

Portanto, se o tratamento for seguido à risca com acompanhamento médico e nutricional, é, sim, possível viver uma vida saudável e feliz, livre do glúten, das dores e do desconforto!

E foi pensando nos celíacos que a Grani Amici foi fundada em 2010 com o propósito de oferecer bem-estar e inclusão alimentar a todas as pessoas com intolerâncias e alergias alimentares.

Para honrar este propósito, nós desenvolvemos uma linha completa de panificados feitos com ingredientes naturalmente livres de glúten, leite e lactose. 

E não para por aí! Os alimentos que fabricamos são repletos de sabor e possuem uma textura super macia, que é resultado de muita pesquisa e aplicação de tecnologia alimentar para a substituição adequada do glúten na panificação.

Assim, garantimos um café-da-manhã repleto de sabor a todos celíacos. Conheça os nossos produtos e surpreenda-se com a qualidade Grani Amici!

Gostou do conteúdo? Deixe seus comentários aqui e compartilhe com os seus amigos!